Retinopatia diabética

O que é a retinopatia diabética e como ela pode ser tratada? 

A retinopatia diabética é uma complicação ocular que afeta pessoas com diabetes. Ela ocorre devido ao aumento da permeabilidade dos vasos sanguíneos nos olhos, prejudicando a retina. 

O diabetes é uma das principais causas de cegueira que pode ser evitada em todo o mundo. Aproximadamente 75% dos pacientes diabéticos com mais de 20 anos desenvolvem algum tipo de retinopatia diabética. Enquanto isso, a hipertensão afeta de 11 a 20% da população adulta com mais de 20 anos.  

Tanto o diabetes quanto a hipertensão, por meio do aumento da glicemia e do descontrole da pressão arterial, respectivamente, levam a alterações nos vasos sanguíneos que, ao longo do tempo, podem comprometer o funcionamento de vários órgãos no corpo humano, inclusive os olhos. 

O que pode causar a retinopatia diabética? 

A retinopatia diabética é causada pela diabetes não controlada por tempo prolongado. Os altos níveis de açúcar no sangue bloqueiam os pequenos vasos sanguíneos que chegam à retina, resultando em perda de líquido ou sangramento. Para compensar, os olhos desenvolvem novos vasos sanguíneos que não funcionam corretamente. 

É importante frisar que quanto maior o tempo de evolução do diabetes mellitus (DM), maior o risco de desenvolvimento de retinopatia diabética, que pode ser encontrada em mais de 90% dos pacientes com DM tipo 1 e em 60% daqueles com DM tipo 2, após 20 anos convivendo com a doença. 

A extensão da retinopatia e da perda da visão está relacionada principalmente ao controle dos níveis de glicose no sangue, à pressão arterial e ao tempo de duração do diabetes. A retinopatia geralmente surge 5 anos após o diagnóstico de diabetes tipo 1, e pode estar presente no momento do diagnóstico de diabetes tipo 2, que pode não ser diagnosticado por anos.

Principais sintomas 

Inicialmente, a retinopatia diabética pode ser assintomática, sendo descoberta apenas em exames de rotina. No entanto, à medida que a glicemia permanece descontrolada, podem surgir os seguintes sintomas: 

  • Piora gradual da visão 
  • Visão embaçada 
  • Manchas escuras na visão (conhecidas como “moscas volantes”) 
  • Dificuldade para enxergar objetos distantes 
  • Dificuldade para identificar cores diferentes 

Por conta desta dificuldade em identificar sintomas, é fundamental que pessoas com diabetes mantenham seus níveis de açúcar bem controlados e realizem consultas regulares com o oftalmologista para avaliar a saúde ocular. 

Tipos de retinopatia diabética 

Existem dois tipos principais de retinopatia diabética: não-proliferativa e proliferativa. 

Retinopatia diabética não-proliferativa 

A retinopatia diabética não proliferativa ocorre primeiro e não costuma ser tão grave, mas, mesmo assim, os vasos sanguíneos da retina vazam fluido ou sangue, causando pequenas saliências e inchaço na retina. Isso pode levar a danos na visão, especialmente se o vazamento ocorrer perto da área central da retina.  

O edema macular, devido ao vazamento de líquido dos vasos sanguíneos, pode resultar em perda significativa da visão.  

Nessa fase inicial, o médico pode optar por apenas monitorar a evolução da condição sem tratamento específico.  

Retinopatia diabética proliferativa 

Na retinopatia diabética proliferativa, a lesão na retina estimula o crescimento anômalo de novos vasos sanguíneos, causando hemorragias, cicatrizes e descolamento da retina.  

Isso pode levar a uma maior perda de visão, cegueira total ou quase total, glaucoma neovascular e edema macular. Os sintomas incluem visão embaçada, pontos flutuantes, flashes de luz e perda súbita e grave de visão. 

Qual o tratamento para a retinopatia diabética? 

O tratamento para a retinopatia diabética varia de acordo com o estágio da doença e pode envolver diferentes abordagens: 

Controle rigoroso da glicemia e pressão arterial 

Manter os níveis de açúcar no sangue sob controle é fundamental. Isso inclui dieta, exercícios físicos e uso adequado de medicamentos antidiabéticos. 

Tratamento com laser (foto coagulação) 

O laser focal é utilizado para cauterizar áreas comprometidas da retina, reduzindo o risco de sangramentos e descolamento da retina. 

Injeções intraoculares 

Medicamentos são aplicados diretamente no olho para diminuir o inchaço da retina, reduzir o crescimento de vasos sanguíneos anormais e melhorar a visão. 

Implantes de corticoides 

Em alguns casos, implantes intraoculares de corticoides podem ser recomendados para tratar o edema macular. 

Vitrectomia 

A vitrectomia é uma microcirurgia que remove sangramentos anormais intraoculares e faz parte do tratamento do descolamento de retina. 

Acompanhamento médico 

Na fase inicial da retinopatia diabética não-proliferativa, o médico pode optar por apenas monitorar a evolução da condição sem tratamento específico.  

Por isso, consultas regulares com o oftalmologista são essenciais para avaliar a saúde ocular. 

A principal forma de evitar que a retinopatia diabética evolua e cause mais problemas para a visão e a qualidade de vida do paciente, é controlando rigorosamente os níveis de glicose no sangue e realizando acompanhamento oftalmológico contínuo com médicos especializados em retina (retinólogos) dispondo de equipamentos de última geração. 

Você encontra tudo isso no COI. Por isso, agende sua consulta e conte conosco para cuidar de sua visão. 

Revisão médica: Dr. Celso Lopez

Médico oftalmologista

CRM 75275

Receba nossas novidades

Inscreva-se gratuitamente em nossa newsletter.

Inscrever

Ao inscrever-se você está de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de uso.

Posts recentes:

A retinopatia diabética é uma complicação ocular que afeta pessoas com diabetes. Ela ocorre devido

A catarata é uma doença ocular que afeta o cristalino, a lente natural do olho

Com o progresso da oftalmologia ouvimos falar cada vez mais sobre cirurgia refrativa. No entanto,

Agende uma Consulta
Agende agora mesmo uma avaliação oftalmológica.