mulher fazendo exame oftalmológico

Catarata: como saber quando é hora de procurar um especialista

Estudo indica que a doença atinge 25% dos brasileiros com mais de 50 anos. Saiba como conhecer os sintomas da catarata ainda nos estágios iniciais

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a catarata afeta aproximadamente 65,2 milhões de pessoas e causa perda de visão moderada a grave em mais de 80% dos casos.

No Brasil, segundo pesquisa da Fiocruz, 14 milhões de brasileiros têm catarata, ou seja, 25% da população com mais de 50 anos. O mesmo estudo identificou ainda que a catarata é a quarta doença mais recorrente nessa faixa etária no país, ficando atrás só da hipertensão arterial, de problemas de coluna e do colesterol alto.

Se você tem mais de 50 anos e sua visão ficou embaçada ou turva, cuidado, você pode ter catarata! É uma condição comum em adultos mais velhos e pode ser tratada pelo seu oftalmologista. Nesse artigo vamos detalhar os sintomas, tipos da doença e como tratar. Confira!

O que é a catarata?

A catarata é uma doença causada pelo acúmulo de proteínas no cristalino, uma lente que permite a visão nítida em todas as distâncias. Na prática, é como se houvesse uma nebulosidade na lente dos olhos que impede que os raios de luz atravessem e alcancem a retina para formação de imagens.

Em seus estágios iniciais, a catarata pode não causar um problema, afetando apenas uma pequena parte da lente. No entanto, com o passar do tempo, a catarata pode crescer e afetar de forma mais severa a lente, o que dificulta a visão.

Quais são os tipos de cataratas?

O tipo mais comum é a catarata senil, aquela que é adquirida ao longo da vida com o envelhecimento natural do cristalino. No entanto, há outros tipos de cataratas que podem necessitar tratamentos especiais.

Cataratas congênitas

Essas são raras, mas alguns bebês podem nascer com a doença ou desenvolvê-la mais adiante na infância.

Algumas cataratas congênitas não afetam a visão, mas outras sim e precisam ser removidas. Por isso, é recomendável que os pais levem seus filhos para um oftalmopediatra já nos primeiros meses de vida.

Catarata secundária

A catarata secundária, como o nome já indica, geralmente ocorre por causa de outra doença como diabetes e uveítes (inflamação intraocular). Estudos também indicam que a catarata secundária está sendo associada ao uso excessivo de esteróides.

Cataratas traumáticas

Uma lesão em um ou em ambos os olhos pode levar a pessoa a desenvolver uma catarata traumática. Isso pode acontecer logo após o acidente ou vários anos depois.

Quais são os sintomas?

A catarata é uma doença silenciosa que avança progressivamente. Alguns pacientes demoram alguns anos até que percebam que estão com a doença. Por isso, é preciso ficar atento a qualquer dos sintomas seguintes:

  • Visão turva, embaçada, nebulosa ou turva;
  • Miopia (em idosos);
  • Mudanças na maneira como você vê as cores;
  • Problemas ao dirigir à noite (brilho dos faróis que se aproximam, por exemplo);
  • Problemas com brilho durante o dia;
  • Visão dupla no olho afetado;
  • Problemas com óculos ou lentes de contato que não funcionam bem

Como a doença é diagnosticada?

Caso você, ou alguém da sua família, tenha percebido algum sinal de indício de catarata, procure imediatamente um oftalmologista.

Além de um histórico médico completo e exame oftalmológico, os testes para diagnosticar a catarata podem incluir:

Teste de acuidade visual

O oftalmologista pedirá que o paciente leia letras à distância para descobrir o quão nítida é sua visão. No mesmo exame, é possível que o profissional conduza testes de brilho, onde os olhos são iluminados e, na sequência, pedirá ao paciente que leia as letras novamente.

Exame de retina

É um exame simples, porém muito importante, em que o oftalmologista colocará um colírio nos olhos do paciente para dilatar as pupilas dele. Esse processo facilitará a visão da retina dos olhos do paciente pelo oftalmologista, detectando assim possíveis lesões.

Exame da lâmpada de fenda

Nesse exame, o oftalmologista usará um microscópio especial com uma luz brilhante que permite que ele verifique diferentes partes do olho como a córnea e a íris detectando não só cataratas como também outras doenças oculares.

Qual é o tratamento da catarata?

A cirurgia é a única maneira de tratar a catarata, mas você pode não precisar dela imediatamente. Caso o problema seja detectado em um estágio inicial, o oftalmologista poderá receitar uma lente mais forte que tende a melhorar a visão.

Contudo, o especialista pedirá que você observe o avanço da doença. Se os problemas de visão começarem a atrapalhar sua rotina diária – especialmente se tornarem a direção perigosa – é hora de conversar com o médico sobre a possibilidade da cirurgia.

Existem vários tipos de operações para catarata, mas todas têm o mesmo objetivo: a substituição do cristalino turvo por um cristalino artificial.

Cirurgia de pequena incisão

O cirurgião fará um pequeno corte em sua córnea para colocar um dispositivo que emitirá ondas de ultrassom que quebrarão o cristalino turvo.

Cirurgia de grande incisão

Esse procedimento não é feito com tanta frequência, mas os médicos às vezes sugerem para cataratas com um estágio bem avançado. O cirurgião retira a lente turva com uma grande incisão e a substituirá por uma artificial.

Cirurgia a laser

Nesta operação, o cirurgião usa um laser para quebrar o cristalino embaçado e substituí-lo por uma nova lente artificial.

Agora que você já sabe tudo sobre catarata, que tal saber um pouquinho mais sobre as principais causas de olhos vermelhos? Leia artigo sobre as 7 possíveis causas e previna-se!

Revisão médica: Dr. Celso Lopez

Médico oftalmologista

CRM 75275

Receba nossas novidades

Inscreva-se gratuitamente em nossa newsletter.

Inscrever

Ao inscrever-se você está de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de uso.

Posts recentes:

Cuidar da visão é essencial para manter a qualidade de vida e desempenho no ambiente

A retinopatia diabética é uma complicação ocular que afeta pessoas com diabetes. Ela ocorre devido

A catarata é uma doença ocular que afeta o cristalino, a lente natural do olho

Agende uma Consulta
Agende agora mesmo uma avaliação oftalmológica.